Por que falar sobre saúde mental no trabalho?

“Se você me quer, você recebe tudo de mim”, essa foi a conclusão que levou a porta-voz Alyssa Mastromonaco a compartilhar com sua chefia o tipo de medicação que tomava para controlar sua ansiedade. Aquela era uma mudança importante em sua rotina diária que podia ter consequências reais em seu comportamento. Então, informar aqueles que estão ao seu redor, foi uma decisão lógica para Alyssa, mas nem sempre é assim.

Atualmente, quase 6% da população brasileira, um total de 11,5 milhões de pessoas, tem depressão, segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS). Em 2015, 18,6 milhões de pessoas sofriam como o transtorno de ansiedade no Brasil, e a psiquiatra Nadège Herdy alerta que o número de registros de ansiedade generalizada e síndrome do pânico vêm aumentando.

O medo do tabu associado à saúde mental pode afetar como as pessoas se relacionam. As reações dos colegas e empregadores podem fazer aqueles que sofrem com esses tipos de transtornos se sentirem incapazes para falar abertamente sobre suas experiências.

E se nos sentimos mal no trabalho, nosso primeiro impulso é esconder e não pedir o que precisamos para melhorarmos, seja algum tempo para descanso ou um dia para uma consulta médica.

Por outro lado, quando falamos sobre saúde mental no trabalho, também é preciso considerar que os espaços que frequentamos diariamente tem influência direta no nosso humor e em como estamos nos sentindo.

“Nós precisamos entender o papel que nossas experiências diárias, incluindo experiências de trabalho, tem em moldar nossa saúde mental. Se não apreciarmos o efeito dessas experiência, nós simplesmente encontraremos formas para lidar com nossos problemas ao invés de nos ajudar de maneiras significativas”, escreve James Wallace, pesquisador da Universidade de Cardiff para o jornal Independent.

De acordo com a OMS, a depressão será a doença mais incapacitante do planeta até 2020, então é impossível ignorar o impacto dela e de outras no mercado de trabalho.

Para a autora Morra Aarons-Mele, o caminho para a solução está em construir uma cultura de trabalho que reconhece uma diversidade neurológica e emocional em todas suas formas. “Quando nós reconhecemos nossa saúde mental, nós conseguimos nos conhecer melhor, e nos tornamos pessoas, funcionários e líderes mais autênticos”, ela afirma em artigo.

Por que falar sobre saúde mental no trabalho?
Rolar para o topo
Exibir bot�es
Esconder bot�es